"Democracia é quando as maiorias governam, democracia é quando se defendem os interesses da maioria, democracia não é garantir somente o direito a pensar livremente mas também o direito a saber pensar, o direito a saber escrever aquilo que se pensa, o direito a saber ler o que leem os outros, o direito ao pão, ao trabalho, à cultura”.

Fidel Castro, 01/5/1960.

” Tu forjador da História, professor… és o pai dos revolucionários deste continente, tu és o nosso pai”.

Hugo Chávez

 

Inicia-se hoje, aniversário de Fidel, o período de debate e consulta popular sobre as alterações à Constituição, data simbólica em que o povo cubano é chamado a discutir o documento fundamental que vai reger as suas vidas, num processo de participação único, verdadeiramente democrático, sem igual.

O Manifesto de Moncada e, posteriormente, a defesa de Fidel em tribunal após o assalto, refletia um programa de governo integralmente cumprido em que, desde o início, foi introduzido o conceito de que a ética deve acompanhar a política revolucionária socialista.

Fidel foi um grande político, um homem capaz de antecipar o futuro, de declarar com 20 anos de antecedência que a humanidade está em perigo, perante o sorriso condescendente dos líderes mundiais da época.

Foi também um grande estratega militar, revelado no assalto ao Quartel Moncada, na luta na Sierra Maestra, em Giròn e na batalha de Cuito Canavale, que precipitou o fim do Apartheid, dirigida à distância, desde Havana .

A solidariedade internacionalista foi uma constante da sua política, desde os primeiros anos da revolução , ajudando a consolidar a revolução argelina, apoiando o Vietname , a luta dos palestinianos e do povo saharaui.

O conceito de “Nuestra América”independente do poder americano, no pensamento de Marti foi acolhido por Fidel e sempre constante no seu pensamento e na prática política.

Sempre solidária com “nuestra América” e graças ao impulso dado à unidade e integração latino-americana Cuba prestou ajuda solidária no ensino da medicina tendo-se formado gratuitamente 20.000 estudantes de medicina latino-americanos e das Caraíbas mediante o compromisso de dedicarem parte do seu tempo ao apoio a comunidades pobres, ao regressarem aos seus países.

Como disse Raúl, em 26 de Julho graças ao impulso dado à unidade e integração latino-americana, saíram da pobreza 60 milhões de pessoas, mais de 3 milhões foram alfabetizados, foi erradicado o analfabetismo na Venezuela, Bolívia e Nicarágua, foi devolvida a visão a 2 milhões,992 838 paciente estrangeiros e a mais de um milhão de cubanos.

Se é verdade que um só homem  não faz a revolução, a verdade é que Fidel foi um político sem igual, um homem excecional, um pedagogo, um modelo de dedicação , integridade e humanidade, um dirigente mobilizador do seu povo, um homem que se empenhava pessoalmente até no regresso a Cuba do pequeno Èlian e dos Cinco Heróis cubanos.

Verdadeiramente, Fidel é um Homem para a Eternidade!