A brigada médica cubana especializada em situações de desastre e epidemias graves, Henry Reeve, constitui uma extraordinária e exemplar demonstração da solidariedade internacional de Cuba.

A Associação de Amizade Portugal Cuba (AAPC) e o Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) propõem a atribuição do Prémio Nobel da Paz à Brigada Médica Cubana Henry Reeve.

Desde a sua criação, em Setembro de 2005, milhares de médicos, enfermeiros e outros profissionais de saúde da Brigada Henry Reeve já prestaram ajuda a milhões de pessoas em mais de 40 países, nomeadamente no combate aos surtos de ébola em África, na sequência de sismos, como o que afectou o Paquistão em 2005, ou, actualmente, no combate à pandemia da COVID 19 em vários países.

Condecorada por vários países e organizações, como, em 2017, pela Organização Mundial de Saúde, a Brigada vê o apoio internacional fortalecer dia a dia, encerrando, tal apoio, a convicção de que as diferenças de ideais políticos não se podem sobrepor ao valor da vida humana. São princípios da Brigada a defesa e exercício do direito humano à saúde, o humanismo e a solidariedade entre os povos.

A atribuição do Prémio Nobel da Paz à Brigada Henry Reeve conta já com o apoio de inúmeros intelectuais, ex presidentes da república e organizações de solidariedade de todo o mundo. A AAPC e o CPPC apelam a que também apoie e faça crescer este apoio, subscrevendo e divulgando o abaixo assinado divulgado pelas nossas associações.

 

Assine em: https://peticaopublica.com/pview.aspx?pi=nobel-paz-henryreeve

Fidel Castro é uma figura impar da história do nosso tempo cujo pensamento marca o movimento de resistência dos Povos e também de conquista, na luta contra o domínio imperialista.

Tudo quanto se possa dizer sobre tão grande personalidade está longe de espelhar a sua grandeza como ser humano e como revolucionário. Todo o seu pensamento tinha um sentido único: dar força e voz aos mais desfavorecidos, combater a pobreza, dar o verdadeiro sentido às palavras Liberdade e Democracia.

Apesar de que na quarta-feira, 24, apenas se ter registado um caso, isso não nos pode empurrar para alterar as condutas

Autor: Yudy Castro Morales

Junho, 2020

Foto: Dunia Álvarez Palacios

 

Apesar do anúncio da passagem à recuperação não poderão ser descuradas as medidas sanitárias.

Quarta-feira, 24 de Juno, Havana e o país – que neste caso é o mesmo, e não por chauvinismo capitalino ou algo parecido– amanheceram com um só caso positivo à Covid-19, o que confirma a tendência favorável descendente dos últimos dias; uma muito boa notícia, sem dúvida, para a província que concentrou o epicentro e cauda da pandemia. Mas as estatísticas a favor não podem empurrar-nos para condutas contrárias à defesa contra a Covid 19.

Seria totalmente insensato, por exemplo, ceder na disciplina e na responsabilidade para nos animar e perdermos a percepção de risco mediante uma «desconfinação» por conta própria.

A RTP, sempre cumpridora da estratégia do pensamento único, na passada terça-feira dia 16, presenteou o povo português com mais um documentário “Os Príncipes do Nada” onde foi retratada, noticiada, a tragédia dos povos da Síria e da Republica Bolivariana da Venezuela.

Que a situação naqueles países, que lutam heroicamente em defesa da sua soberania, não é fácil todos nós o sabemos e obviamente não está em causa o terrível sofrimento daqueles povos. O que não se pode, em abono do rigor e da seriedade, é retractar essas confrangedoras realidades sem denunciar as suas causas e assim sendo, aquilo a que assistimos foi a uma manipulação informativa.

Foto de veja.abril.com.br

 

No dia 3 de Maio, um grupo de mercenários, partindo da Colômbia, tentou entrar ilegalmente em território da República Bolivariana da Venezuela para aí desencadear acções de carácter terrorista.

A tentativa de agressão foi gorada pela acção das forças militares venezuelanas, das populações e de grupos de defesa popular, tendo sido detidos vários mercenários, entre os quais dois antigos militares norte-americanos actualmente a prestar serviço a uma empresa de mercenários sediada na Florida (EUA).