Em 2019 os povos foram confrontados com a intensificação da ofensiva imperialista.

Agora com novo testa de ferro, Donald Trump, a Casa Branca deu continuidade à sua estratégia de aprofundamento da ofensiva imperialista.

Nos seus intentos de usurpação das riquezas naturais pertença dos povos e de forçar governos democraticamente eleitos a cumprirem os desígnios do imperialismo, não olham a meios para conseguirem os seus sinistros objectivos.

Os falcões da guerra, não estão sozinhos nesta cruzada tenebrosa contando não só com o apoio da comunicação social, de que são proprietários, mas também de estados, “democráticos” claro está, que vão “legitimando” os seus actos de terror.

Recentemente passaram por Portugal, Benjamim Netanyahu e Mike Pompeu. O primeiro estremado sionista que há anos procura exterminar o povo palestino e que conta para tal com o apoio declarado dos EUA de que Mike Pompeu é, para estes casos, porta-voz privilegiado. Não tendo tido autorização para reunirem em Inglaterra, rumaram a Portugal para concretizar as suas estratégias assassinas.

Estas figuras, além de terem tido o acolhimento para os seus intentos, também receberam os despropositados cumprimentos, do nosso Primeiro Ministro.

Israel assassina na Palestina

 

Ainda recentemente vimos o Governo Português através do seu Ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, solicitamente, reconhecer um auto- proclamado Presidente da República, no

Caso, da Venezuela. Temos de reconhecer no entanto que, pelo menos nesta matéria, existe coerência do Governo de Portugal já que não o vimos denunciar o golpe militar fascista na Bolívia aplaudido por Trump e Bolsonaro.

O terrorismo manifesta-se de várias formas e, para desgraça dos povos, temos presenciado todas as suas nuances, desde o assalto e roubo de poços de petróleo como aconteceu na Líbia com aplausos ao vivo da Sra. Clinton e acontece agora na Síria e no Iraque entre outros, ao financiamento do terrorismo em estados soberanos, a tentativas de assassinato de presidentes como aconteceu na Venezuela, ao roubo de fundos do povo venezuelano cativando esses valores e o ouro ou mesmo desviando esse dinheiro para subsidiar o terrorismo, ao bloqueio de economias e acesso a bens, como acontece com Cuba.

Protestos Colômbia

 

Na ofuscação destas politicas e na sua mistificação tem papel crucial a comunicação social. Onde está a informação sobre as gigantescas manifestações das massas populares no Chile e na Colômbia contra as políticas neoliberais e os protesto e reivindicações do povo brasileiro, entre muitas outras situações escabrosas que são pura e simplesmente omitidas ?

É crucial a denúncia destes actos e o desmascaramento daqueles que de uma ou de outra forma lhe dão cobertura.

A história é dinâmica; os povos saberão fazer frente a esta ofensiva.

O caminho é a Luta! Venceremos!

(Boletim AAPC Dezembro 2019)