Imagem da zona do acampamento

 

Com o triunfo da Revolução em 1959 abriu-se a porta da esperança para Cuba e para os cubanos, vítimas de uma pobreza levada ao extremo pela ditadura deposta.

De imediato os EUA reagem decretando medidas de embargo económico a Cuba, até que o bloqueio foi definitivamente implementado, pelo presidente Kennedy em Fevereiro de 1962.

A recuperação do país foi de grande dificuldade a todos os níveis, mas contou sempre com a solidariedade internacional.

Em 1969, o SDS – Estudantes por uma Sociedade Democrática, associação de jovens dos Estados Unidos, descontentes e inspirados pelos discursos de Fidel Castro, visitam Cuba e trabalham lado a lado com os trabalhadores na colheita da cana-de-açúcar, mostrando a sua solidariedade com a Revolução Cubana e desafiando o embargo dos EUA a Cuba.

Estava formada a primeira Brigada Internacional de solidariedade com Revolução Cubana, a Brigada Venceremos!

Este exemplo espalha-se rapidamente pelo continente americano, pela Europa, Austrália e Nova Zelândia e pelo resto do mundo!

 

Jornada de trabalho

 

Seguiu-se a formação de várias Brigadas:

  • Brigada Internacional “Júlio António Mella”, organizada pela Federação Mundial da Juventude Democrática - FMJD, que chegou a Cuba para realizar trabalhos voluntários em apoio à Revolução Cubana.
  • Brigada Nórdica de Solidariedade com Cuba, integra Brigadistas de Suécia, Finlândia, Dinamarca, Reino Unido, Alemanha e Noruega.
  • Brigada Europeia de Trabalho Voluntário e Solidariedade com Cuba “José Martí”, integra Brigadistas de Grécia, Bélgica, Portugal, Suíça, Reino Unido, Espanha, Rússia, Macedónia, Alemanha, Turquia, Itália, Bulgária, França, Suécia, Polonia, Dinamarca, Malta, Áustria e Finlândia.
  • Brigada “Pablo de la Torriente Blau”, integra Brigadistas de países de Europa Oriental.
  • Brigada de Solidariedade Cruz do Sul, integra Brigadistas de Austrália e Nova Zelândia.
  • Brigada Australiana de Solidariedade a Cuba.
  • Brigada Porto-Riquenha de Solidariedade “Juan Rius Rivera”.
  • Brigada Sul-Americana de Solidariedade, integra Brigadistas de Chile, Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai.
  • Brigada Centro-Americana de Solidariedade, integra Brigadistas de Nicarágua, Costa Rica, Honduras, El Salvador e Panamá.
  • Brigada Internacional "Por los Caminos del Che", integra delegações de diversas partes do mundo.
  • Brigada Internacional “Primero de Mayo”, integra delegações de diversas partes do mundo.

Hoje são vários milhares de pessoas que já visitaram Cuba, integrando Brigadas,

manifestando o seu apoio e contribuindo para o processo revolucionário cubano.

 

Entrada do CIJAM

A Brigada Internacional “Júlio António Mella” acampou no município de Caimito, província de Artemisa, a cerca de 50 km de Havana. Desde então todas as brigadas ficam alojadas nesse “acampamento”.

 

Em honra a esta Brigada, o acampamento, oficialmente inaugurado em 24 de Janeiro de 1972, passou a designar-se CIJAM - Acampamento Internacional Julio Antonio Mella e é gerido pelo Instituto Cubano de Amizade com os Povos – ICAP, que organiza todos os anos as Brigadas Internacionais.

A Brigada Europeia de Trabalho Voluntário e Solidariedade com Cuba “José Martí” realiza-se em Julho de cada ano e tem a duração de três semanas.

Espaço de convívio

 

 

O Programa da Brigada inclui trabalhos de rega, monda, colheita de produtos hortícolas para consumo no acampamento, realizados nas cooperativas agrícolas da região, programas políticos e culturais, visitas, debates, conferências, actividades desportivas e proporciona a todos os brigadistas a aprendizagem e o conhecimento sobre o “modelo cubano”, Cuba, a Revolução e a actualidade, mas também, o convívio, a interacção e o conhecimento sobre os outros países integrantes da Brigada.

 

 

 

03.Março.2020

 

Brigada de 2019 na foto de despedida

 

 

Até para o ano na 50ª Brigada Europeia de Solidariedade Jsé Marti

VIVA A REVOLUÇÃO SOCIALISTA CUBANA!

CUBA VENCERÁ!