Em Portugal, a Brigada “José Marti” é organizada pela Associação de Amizade Portugal-Cuba (AAPC).

Este ano realiza-se no contexto da comemoração do 60º aniversário do Triunfo da Revolução.

As Brigadas constituem uma forma concreta e efectiva de manifestar solidariedade com o povo cubano e, ao mesmo tempo, conhecer mais directamente o seu processo revolucionário, a sua história, cultura, tradições e conquistas sociais, bem como as dificuldades que a Ilha atravessa.

Nas Brigadas, as jornadas de trabalho são intercaladas com conferências sobre temas da actualidade cubana, visitas a lugares de interesse histórico-social e a unidades produtivas ou de assistência, encontros com a população de bairros e comunidades. Todas estas actividades permitem aos brigadistas ter um conhecimento directo das conquistas alcançadas pela Revolução, da forma como está organizada a sociedade cubana, do financiamento das suas instituições e também das limitações causadas pelo bloqueio dos E.U.A.

 

 

Treze delegações, de mais de 20 países, participaram na 48ª contingente da Brigada Europeia “José Martí”, convocada pelo Instituto Cubano de Amizade com os Povos (ICAP), em homenagem ao 65º aniversário do Assalto aos Quartéis Moncada e Carlos Manuel de Céspedes.

Pudemos conhecer a realidade cubana e constatar que Cuba continua a manter os seus ideais e princípios básicos de solidariedade e o humanismo do seu projecto socialista, baseados no ideário de José Martí.

Por isso, os participantes deste contingente, por consenso, declaram:

                                  

Os mais de 80 integrantes da Brigada Europeia "José Martí" que vai na sua 48ª edição, foram recebidos calorosamente na segunda-feira no Acampamento Internacional Julio Antonio Mella (CIJAM), de Caimito.

O programa de 20 dias na Ilha, inclui a participação na celebração do 26 de julho em Santiago de Cuba e homenagens a Fidel, Martí, Carlos Manuel de Céspedes e Mariana Grajales, no cemitério de Santa Ifigênia.

O grupo de solidariedade, é composto principalmente por jovens representantes de 13 nações: Alemanha, República Tcheca, Espanha, França, Grécia, Itália, Portugal, Reino Unido, Rússia, Suécia, Suíça e Bélgica, além da Bolívia.

Fernando González Llort, presidente do Instituto Cubano de Amizade com os Povos (ICAP), saudou a presença dos brigadistas a quem desejou uma feliz estadia em Cuba. Estes irão encontrar-se com representantes de diferentes setores sociais e conhecerão a realidade cubana tantas vezes distorcida no mundo e pela grande imprensa, disse.

Conhecerão os obstáculos que o nosso país atravessa para alcançar o seu desenvolvimento, principalmente por causa da guerra económica imposta pelos Estados Unidos, e também poderão verificar os esforços do povo cubano, unidos, para tornar a economia mais eficiente e garantir a independência e soberania, acrescentou.

Congratulou-se  com a presença de muitos jovens, "é importante que os jovens do mundo venham a conhecer Cuba e a sua Revolução, afirmou.

A portuguesa Maria da Conceição Pereira, que já participou em 14 edições da brigada, transmitiu em nome dos seus companheiros "uma saudação ao povo cubano, heróico e lutador", expressando a alegria de todos em iniciar o programa, de dias de trabalho voluntário na agricultura, visitas a lugares históricos, conferências sobre os assuntos atuais da Ilha e uma reunião de solidariedade com Porto Rico.

As autoridades do município de Caimito - conhecido como a capital da solidariedade pelo CIJAM - acolheram os visitantes, que desfrutaram da actuação de crianças e adolescentes, do projeto da comunidade local "Alma Danza".

Antes da cerimónia de boas-vindas, os brigadistas homenagearam Julio Antonio Mella e simbolicamente plantaram uma árvore da amizade, nas proximidades do acampamento.

 

Fonte - ICAP

 

Em Portugal, a Brigada “José Marti” é organizada pela Associação de Amizade Portugal-Cuba (AAPC).

As Brigadas constituem uma forma concreta e efectiva de manifestar solidariedade com o povo cubano e, ao mesmo tempo, conhecer mais directamente o seu processo revolucionário, a sua história, cultura, tradições e conquistas sociais, bem como as dificuldades que a Ilha atravessa.

Nas Brigadas, as jornadas de trabalho são intercaladas com conferências sobre temas da actualidade cubana, visitas a lugares de interesse histórico-social e a unidades produtivas ou de assistência, encontros com a população de bairros e comunidades.

Todas estas actividades permitem aos brigadistas ter um conhecimento directo das conquistas alcançadas pela Revolução, da forma como está organizada a sociedade cubana, do financiamento das suas instituições e também das limitações causadas pelo bloqueio dos E.U.A..

As actividades produtivas destinam-se fundamentalmente a apoiar o trabalho no campo, na produção alimentar para o acampamento. Para este trabalho aconselha-se aos brigadistas que levem roupa velha, luvas, chapéu, protector solar e repelente de insectos.

Nestas Brigadas participam pessoas de diferentes idades, pelo que não são estabelecidas metas de produção individuais. No fim da Brigada é comunicado o resultado do trabalho colectivo.

Nos últimos dias de permanência, fazendo parte do programa, a Brigada efectua uma visita a uma província, por um período de três dias, com alojamento num centro de lazer ou hotel. Esta estadia permitirá uma visão mais ampla do país.

Os cuidados de saúde são assegurados por um médico e uma enfermeira em regime permanente no acampamento e, se necessário, todos os tratamentos de urgência. No entanto, agora é obrigatório o seguro de viagem.

Cada brigadista deverá levar todos os medicamentos que toma habitualmente, sendo aconselhado o transporte dos mesmos na bagagem de mão durante a viagem área.

 

INSCRIÇÃO PARA A BRIGADA E O SEU CUSTO EM CUBA

O custo da estadia é sensivelmente de 521.50€ (650 Pesos Cubanos Convertíveis (CUC)) por pessoa, com sede no Acampamento Internacional Julio Antonio Mella (CIJAM), situado em Guayabal, Caimito, província Artemisa, a 40 Km da capital. Inclui alojamento em habitações partilhadas, alimentação (pensão completa), viagem de chegada e saída para o aeroporto, transporte para as actividades contempladas no programa, serviços médicos de primeiros socorros e 5 noites de estadia num centro turístico, localizado na
província de Santiago de Cuba.

A AAPC assume os procedimentos para a viagem: reserva da passagem, visto, seguro de viagem e todo o expediente com o ICAP, em Cuba, para garantir o encaminhamento dos Brigadistas para o acampamento.

Este ano, vamos implementar um novo processo para a compra das viagens aéreas.

Como sabemos, a tarifa das viagens aéreas é extremamente onerosa, se estas forem adquiridas, como tem acontecido em anos anteriores, a 30 dias da viagem. 

A título de exemplo, se hoje adquiríssemos um bilhete de ida/volta para Cuba custar-nos-ia cerca de 750,00 €.
Mas, se formos comprar a mesma passagem em Junho, custar-nos-á, no mínimo, 1.000,00/1.100,00€.

Neste sentido, possibilitamos a reserva/aquisição do bilhete aéreo com efeitos imediatos e de acordo com os preços actuai, eventualmente mais económica. Permitindo ainda a modalidade que tem sido praticada: a aquisição da passagem aérea próximo da data de partida, que, por norma, implica um custo maior.

Independentemente da modalidade, a inscrição para a participação na Brigada implicará uma reserva com o custo de 200,00€ por pessoa, junto da AAPC.

Se, por alguma eventualidade, devidamente justificada, o sócio desistir da Brigada a devolução da verba da reserva é efectuada na totalidade se ainda não se tiver adquirido o bilhete aéreo. Caso já se tenha efectuado a compra do mesmo, a devolução do dinheiro ficará sujeito às condições contratuais da companhia de aviação.

As inscrições podem ser feitas  até 09 de Junho de 2018.