O ARDENTE PROFETA DA AURORA (1)

 

93 ANOS DO NASCIMENTO DE FIDEL

13 de Agosto de 1926

 

Fidel terá sido o mais importante político do século passado e uma figura que mudou a História da América Latina.

 

A revolução cubana demonstra que é possível triunfar numa luta iniciada por uma dúzia de homens contra um exército bem armado pelos norte-americanos, que é possível resistir a um bloqueio em situações muito duras, e difíceis, que é possível assegurar a saúde, o ensino, a cultura e ser solidário! Isto quando existe uma chefia excepcional e um povo patriota unido e orgulhoso da sua história.

 

 

São conhecidas as condições de vida miserável do povo cubano antes da vitória da revolução mas é importante não esquecer, para além das 11500 prostitutas, dos 270 prostíbulos registados, o tráfego de cocaína da miséria do analfabetismo e de falta dos cuidados médicos, há que recordar que a maioria das grandes empresas eram propriedade de capitalistas norte-americanos.

 

Só Rockefeller era proprietário de 20 centrais açucareiras de grande dimensão, grandes extensões de terras, ganadarias e Bancos.

 

Apesar da moderação das primeiras medidas tomadas após o triunfo da revolução, tais como baixar o custo dos medicamentos, a conversão de quartéis em escolas, a abertura das praias a todos os cubanos e uma Lei da Reforma Agrária muito moderada, de imediato se desatou a sanha norte-americana contra a revolução vitoriosa.

 

Apesar da intenção de Fidel de manter boas relações com o vizinho yankee, visitando os Estados Unidos, o Presidente Eisenhower recusou recebê-lo, mostrando a sua desconfiança.

 

Tratava-se ainda de resquícios da Doutrina Monroe do século XIX que a administração pretende agora ressuscitar.

 

Esta desconfiança transformou-se em hostilidade, em atentados que causaram milhares de mortos e feridos provocados pelos atentados terroristas, numa invasão de Girón por mercenários, num bloqueio sucessivamente condenado na Assembleia Geral das Nações Unidas.

 

Contrariando algumas previsões, nomeadamente após a queda dos países socialistas da Europa, a revolução sobreviveu, está viva e num processo democrático único, o povo cubano foi chamado a discutir o projecto de uma nova Constituição plebiscitada pela população num processo democrático e revolucionário único no mundo.

 

Apesar das dificuldades causadas pelo bloqueio, Cuba não deixou de ser solidária com outros povos e ainda nos primeiros anos da revolução enviou para a Argélia uma equipe de médicos, em missão solidária.

 

Na actualidade, a Brigada Henry Reeve acorre a socorrer as vítimas de catástrofes, sejam elas no Paquistão ou as vítimas do Ébola, em África, assumindo corajosamente os riscos do tratamento destes pacientes.

 

A solidariedade com outros povos manifestou-se também na sua intervenção em Angola, determinante para a derrota das forças racistas, na Operação Carlota cuja estratégia foi delineada por Fidel, desde Havana e no reconhecido contributo para pôr fim ao regime de Apartheid.

 

O encontro entre Fidel e Chavez, dois homens imbuídos do ideário de Simão Bolivar e Marti sobre a unidade e independência da América Latina levou à criação da CELAC-Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caraíbas, visando projectar a região, em termos de respeito do direito internacional, igualdade entre os Estados, direitos humanos e cooperação.

 

Neste âmbito foi criada a ELAM-Escola de Medicina da América Latina, destinada à formação em medicina de estudantes da América Latina que, uma vez licenciados, se comprometem a dedicar parte da sua actividade nas comunidades desfavorecidas dos seus países de origem.

 

Em 29 de Janeiro de 2014, foi proclamada zona de paz a América Latina e as Caraíbas, tendo os 33 representantes desses Estado declarado renunciar à guerra para resolver disputas com os seus vizinhos.

 

A ALBA-TCP, Aliança Bolivariana para os Povos da Nossa América contribuiu para a adopção de acordos que defendem relações multilaterais na região.

 

A Operação Milagre, concebida por Fidel e Chavez restituiu a vista a mais de 2,5 milhões de pessoas em “Nuestra America” e Caraíbas padecendo de distintas patologias que causadoras de cegueira.

 

A CELAC-Comunidade de Estados Latino-Americanos e das Caraíbas tem como objectivo projectar globalmente a região, intervir pelo respeito do direito internacional, pela igualdade entre os povos, pelo respeito pelos direitos humanos e cooperação .

 

É esta Cuba solidária, cooperante, solidária que a Administração norte-americana pretendeu corromper, acenando com o alívio do bloqueio, em troca da solidariedade de Cuba com a Venezuela, nomeadamente com a retirada dos médicos cubanos.

 

É esta Cuba digna, solidária, sentimentos alheios à administração norte-americana e ao sistema capitalista que aquela tem a ilusão de destruir comprando mercenários com o objectivo de pôr fim a estas missões médicas.

 

Fidel sorriria com confiança, lá da eternidade da História!

 

(1)do poema de Che, dedicado a Fidel